Como acompanhar os interesses culturais dos adolescentes?

Este é um desafio de todo professor, compreender aquilo que interessa a seus alunos e poder fazer da cultura de massa algo que ajude no aprendizado.

 

Falando a língua dos adolescentes

Ao contrário do que normalmente aprendemos na escola formal, através da decoreba de gramáticas normativas sobre o uso e delimitações em classes da língua portuguesa, na verdade, a língua é um sistema vivo que sempre se renova, ainda que lentamente. Professores que lidam com alunos adolescentes já devem ter percebido que a cada ano eles aparecem com algumas palavras novas: diferentes gírias, léxico e maneiras de atribuir valor ou nomear os objetos do mundo. Com a Internet e as redes sociais, esse fenômeno de mudança da língua é ainda mais rápido e criativo. A cada nova postagem, podem surgir novas palavras e modismos que acabam se espalhando e tornando-se vivas dentro do sistema linguístico cotidiano.
Nesse aspecto, é interessante que os professores de escolas públicas, não apenas aqueles que ministram a matéria de português, mas todos, estejam sempre atentos para esses tipos de mudanças linguísticas, para que se comuniquem melhor com as novas gerações e, assim, adquiram mais tato e empatia lidando com as mudanças culturais que atravessam nosso dia a dia sem percebermos. Sem uma atualização linguística e um interesse pelo universo cultural, ainda que virtual, em que nossos alunos vivem, acabamos incapacitados de falar a mesma língua que eles, de nos comunicarmos claramente e, por conseguinte, de criar a sinergia necessária na troca de experiências e conhecimento que caracteriza o ato de ensinar.

Incentivo à cultura e ao desenvolvimento artístico

Mas como podemos aprender a falar a língua dos adolescentes? Obviamente isso gera algum tipo de esforço em adequar-se, pesquisando e conhecendo os interesses culturais que norteiam os estudantes da escola. Assim, uma boa ideia é planejar eventos especiais dentro do calendário de cada semestre, como um ou mais dias de duração, por exemplo, uma feira de talentos ou de apresentações culturais em que os próprios jovens possam criar apresentações sobre seus interesses e mostrá-los aos professores. Esta é uma forma de dar voz aos alunos e incentivá-los a demonstrar suas habilidades artísticas e performáticas, além de ensinar mais sobre os seus interesses, dando aos professores e funcionários da escola a oportunidade de conhecê-los e, até mesmo, inseri-los dentro do currículo escolar.
Saber mais sobre os interesses culturais dos estudantes acaba aproximando-os do aprendizado e dos seus professores, que podem utilizá-los e até mesmo programar aulas e apresentar conteúdos novos baseados neles. Por exemplo, sabemos que os adolescentes atualmente gostam muito de livros de ficção que acabam virando filmes ou séries televisivas, muitas vezes produzidas em língua inglesa. Aí já está um conteúdo interessante não só para a matéria de inglês, mas como forma de problematizar as questões tratadas na ficção e transpô-las para a realidade do aluno. Se certas obras de ficção, filmes ou séries viram sensação entre os adolescentes isso provavelmente tem a ver com os interesses da geração. Cabe ao professor entender as razões para isso e saber aplicá-las em sala de aula, transformando a cultura de massa em um conteúdo mais atrativo que desenvolva e incentive a imaginação e a formação intelectual de seus alunos.

Texto produzido pela equipe da Futuro Eventos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.