Como ter sucesso em sua história acadêmica?

Escrever uma história acadêmica de sucesso, a ponto de deixar um legado significativo para a ciência, não é simples. Dá muito trabalho, pois envolve desafios relacionados à produtividade e questões emocionais. Para lhe ajudar a atingir maestria em sua história acadêmica organizei, em 8 práticas, elementos que considero fundamentais. As 5 primeiras práticas estão relacionadas a sua produtividade, e as 3 últimas práticas estão relacionadas a questões emocionais.

Prática 1 – Foco

O foco diz respeito ao centro de sua atenção. Logo, manter o foco inclui distinguir atividades importantes, atividades urgentes e atividades circunstanciais. Para que você mantenha o foco no seu resultado acadêmico, uma sugestão é trabalhar com um planejamento semanal, organizado em uma lista de atividades que sejam possíveis de realizar. Esta lista vai permitir que você caminhe na direção certa, repense e adie o que não é relevante e também delegue ou elimine da sua rotina diária ações que não tenham relação direta com o seu foco.

Prática 2 – Engajamento

O engajamento potencializa elementos como autoconfiança e segurança, elementos estes que nos movem na direção desejada. Um dos fatores que influenciam o nível de engajamento do acadêmico são as diversas situações que a circundam, por exemplo: a ausência do convívio social e familiar devido à busca pela ampliação do conhecimento, a responsabilidade em contribuir com a sociedade e com o desenvolvimento da ciência e ainda o empenho para conquistar uma vida mais confortável e estável financeiramente.

Prática 3 – Ação

A ação é a forma mais efetiva de fazer acontecer. Para identificar onde atuar é necessário identificar prioridades e determinar a sua rota de ação. Uma sugestão para você identificar as suas prioridades acadêmicas é: defina o seu objeto de estudo, identifique o seu problema de pesquisa e então estabeleça as estratégias necessárias para responder a sua problemática. Estas questões contribuirão para que você organize as prioridades e entre em ação para escrever sua história acadêmica.

Prática 4 – Assertividade

A assertividade envolve competências e habilidades emocionais e sociais relacionadas a sua capacidade de se adequar a um contexto. Com assertividade, você conquista a capacidade de defender seus próprios direitos e expressão sem violar o direto e/ou a opinião do outro. Logo, ser assertivo é um estado de desenvolvimento contínuo, e não um estado de espera. Por isso, podemos ser assertivos desde que permitamos, além de caminhar na direção desejada e respeitar os múltiplos olhares.

Prática 5 – Resultado

O resultado é o elemento que impulsiona a trajetória acadêmica. Você já se perguntou o que deseja atingir durante sua formação? Se você quer se aprimorar integralmente, por exemplo, sugiro que sua pesquisa transcenda a leituras e escrita. Aproveite o momento de formação para trabalhar suas múltiplas competências, como: saber ouvir, saber o momento certo de falar, expor sua visão com respeito à opinião dos demais pesquisadores. O objetivo é obter resultados extraordinários que lhe permitam construir uma história de sucesso como pesquisador brasileiro.

Prática 6 – Autoconfiança

Ter autoconfiança é acreditar em si mesmo. É confiar que você está preparado para desenvolver uma pesquisa extraordinária. Para cultivar a autoconfiança, você deve buscar caminhos para transcender as limitações, superar as fragilidades e, acima de tudo, reconhecer seus pontos fortes. Para potencializar a sua autoconfiança sugiro ações, como: caminhar com segurança e firmeza, ouvir músicas positivas, verbalizar palavras positivas direcionadas à solução de situações-problemas. Ações como estas contribuem para melhorar a sua performance acadêmica.

Prática 7 – Segurança

A segurança é um estado de estar protegido de exposição, riscos, perigos, perdas. No momento em que você conquista segurança na sua jornada acadêmica, o próximo passo é a independência, que lhe proporcionará maestria nos resultados. Já a falta de segurança provoca inércia. Uma forma para começar a desenvolver a sua segurança é responder a duas perguntas: O que eu tenho de melhor? Eu utilizo estas competências ao meu favor?

Prática 8 – Resiliência

A resiliência não está centrada na preocupação em lidar com a adversidade, mas em transcender esta dificuldade e extrair da situação experiência e aprendizado para seguir em frente com maestria. Para desenvolvê-la, eu sugiro pensar nas prioridades, sentir a respiração e respirar profundamente antes de manifestar suas emoções. Estas ações simples contribuem para que você consiga lidar com as situações adversas.

Perceba que é possível escrever uma história acadêmica de sucesso. Não é simples, mas você pode descomplicar sua trajetória se mantiver a prática destes hábitos que envolvem elementos de produtividade (práticas 1, 2, 3, 4 e 5) e autoconhecimento (práticas 6, 7 e 8). Comece hoje mesmo uma autoanálise: Você é um pesquisador? Você está um pesquisador? Você gostaria de ser e de estar desenvolvendo uma pesquisa relevante que contribua com o desenvolvimento da ciência?

Conte comigo em sua jornada acadêmica!

Andreza Lopes Doutora e Mestra no Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPEGC) na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Das diferentes atividades desenvolvidas destaca-se uma atuação por resultado e desenvolvimento de pessoas com atividades de: coach e mentora acadêmica, capacitação de equipe, designer educacional master, coordenadora de projeto, professora formadora, professora orientadora e avaliadora de artigos científicos e projetos. Autora de livro e artigos científicos. Desenvolvedora e Facilitadora do Programa de Coach e Mentoria "Acadêmico em Ação".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.