Comunidade surda: em busca da igualdade e de sua identidade

Problemas de surdez atingem mais de 9 milhões de pessoas no Brasil; limitação está na sociedade, que exclui o surdo, apesar dos avanços nas leis de inclusão.

A língua oral é imperativa e exclui naturalmente – seja por falta de informação ou falta de sensibilização em enxergar o “diferente” – outras formas de se comunicar. É importante considerar que, segundo o IBGE (2016), existe uma comunidade surda formada por 1,1% da população brasileira, ou seja, 9,7 milhões de pessoas têm deficiência auditiva.
Segundo o Portal Brasil “2.147.366 milhões apresentam deficiência auditiva severa, situação em que há uma perda entre 70 e 90 decibéis (dB). Cerca de um milhão são jovens até 19 anos”. Embora, a sociedade considera a comunidade surda uma minoria, temos mais de 2 milhões de pessoas que precisam participar do processo de integração social, serem compreendidas e incluídas.

Abismo entre teoria e prática
Percebe-se em nossa sociedade, ainda mais quando passamos a ter mais informações sobre o mundo do surdo, que há um abismo entre a teoria, as leis que “garantem” os direitos estabelecidos pelas políticas públicas e o comportamento da sociedade: seja no momento de estudar, trabalhar, fazer as compras, ter um atendimento médico, se divertir, entre tantas outras atividades da rotina de qualquer pessoa.
A interação social se dá na e pela linguagem. Nos comunicamos com os outros por meio da linguagem, que tem um papel essencial de conviver,  cooperar e se relacionar com o outro. A linguagem oralizada impera em nossa sociedade, mas ela não pode ser vista como única, imperativa, pois dentro do que entendemos por linguagem, existe uma diversidade, que deve ser considerada.

Aceitação começa em casa
As dificuldades também estão dentro de casa, quando uma criança surda nasce em uma família de ouvintes. O desconhecimento e a própria negação dos pais de aceitar o filho surdo é o primeiro impasse que essa criança enfrenta, que terá ainda muitas dificuldades de interagir e se relacionar com o mundo em casa e fora dela. Por isso, é de extrema importância que a aceitação e informação comecem em casa.
Em quem mesmo é que está a limitação?
A Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS tem amparo da Lei 10.436/2002, mas, infelizmente estamos muito longe de oferecer um mundo igualitário e acessível para a comunidade surda. A sociedade, que vem mudando, mas a passos muito lentos, onde cada conquista é comemorada, quando, na verdade, deveriam ser ações já consolidadas, tamanho é o discurso da democracia, direitos iguais e a própria inclusão. Assim, pergunta-se em tom de provocação e ironia: “Em quem mesmo é que está a limitação?”
A cultura brasileira, até mesmo a de países mais desenvolvidos, é limitada por não saber lidar com o profissional surdo, resultando em pensamento e atitudes permeadas pelo preconceito com aquele mito de que a pessoa com “deficiência” (seja ela qual for) é de incapacidade ou que ele é um “coitadinho” que precisa ser incluído. Ao incluir o surdo no mercado de trabalho – na maioria das vezes só porque existe uma lei de cotas – as empresas pensam em estar fazendo a sua parte, mas na verdade não inclui por completo.

Para refletir
A tudo isso fica uma reflexão de que para diminuir as limitações da própria sociedade, ela precisa, primeiro, perceber essa realidade, perceber o “outro” respeitando a sua deficiência, o incluindo de verdade e de fundamental importância promover efetivamente ações de conscientização, seja dentro das organizações, das escolas, dos serviços prestados, do atendimento médico, dos eventos de entretenimento, enfim, uma cultura de inclusão plena em todos os segmentos.

Brisa Teixeira de Oliveira - Personal Writing. Mestre em Educação e jornalista especializada em produção de conteúdo jornalísticos e editoriais na área educacional.  contato@brisateixeira.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.