Os excessos da educação moderna para o aprendizado das crianças

O excesso de estímulos, opções, coisas e rapidez pode gerar estresse, ansiedade e tirar das crianças aquilo que é mais caro à infância: o livre brincar.

Não é nenhuma novidade que as crianças hoje em dia estão superconectadas: celulares, tablets, computadores, videogames. Além disso, uma infinidade de atividades extracurriculares que supostamente as preparam para a vida adulta parecem transformá-las em mini adultos, tão atarefados e estressados quanto seus próprios pais. Estes, no intuito de lhes fornecerem a melhor educação ou as coisas que não tiveram durante a própria infância, acabam prejudicando-os. Uma coisa que precisamos levar em conta é que a infância é uma fase de descoberta e atribuição de significado àquilo que representa o mundo e isso só pode ser feito através da reflexão e, principalmente, da brincadeira. Uma criança muito atarefada e que recebe estímulos o tempo todo acaba não tendo oportunidades suficientes de brincar e refletir. Assim, os pais, com a intenção de prover a melhor formação possível a seus filhos, acabam gerando possibilidades de transtornos psicológicos e de comportamento, muitas vezes, sem saber.

Ter mais não significa viver melhor
O primeiro grande esclarecimento que se deve entender é: ter mais não significa viver nem ser melhor. Muitas vezes, o menos é mais. Uma criança que possui dezenas, centenas de brinquedos não consegue dar o devido valor que cada um deles merece. Assim como uma criança que passa o dia inteiro ocupada com atividades que a formarão para vida, não consegue refletir sobre a própria vida. Isso gera estresse, ansiedade e experiências sempre superficiais. Elas brincam como se não tivessem tempo e não conseguem se interessar profundamente por nenhum brinquedo ou por algum assunto. Vivem com uma rapidez excessiva, sempre ansiosas pelo próximo passo, pela próxima tarefa, tornando-se incapazes de concentrarem-se no momento presente e naquilo que deve ser feito.

TDAH
Por isso é tão comum vermos diagnósticos de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) nas escolas. Crianças que não conseguem manter a atenção naquilo que está sendo dado em sala de aula, ansiosas pelo recreio, pelo que terão de fazer depois, pelo próximo estímulo. Estimular demais não é a melhor forma de educar uma criança. Como tudo na vida, o importante é procurar o equilíbrio, não a desmedida. Seu filho não será mais preparado para a vida adulta se sair da infância falando três idiomas estrangeiros e não souber encontrar o equilíbrio necessário para viver, se não souber ponderar seus sentimentos, deveres e conhecimentos, se estiver sempre sobrecarregado, ansioso e estressado.
Um interessante estudo feito na Inglaterra demonstrou que, ao simplificar a vida de um grupo de crianças diagnosticadas com TDAH, depois de apenas quatro meses, 68% delas foram rediagnosticadas como clinicamente funcionais. Ademais, 37% delas tiveram um aumento nas suas capacidades cognitivas, ou seja, tornaram-se mais capazes de lidar com sua vida escolar, porcentagem muito maior do que os resultados obtidos no caso de uso de medicação para o TDAH. Portanto, simplificar a vida dos pequenos é mais eficaz do que qualquer tratamento medicamentoso e isso foi comprovado empiricamente.

Os quatro principais excessos da infância
Segundo estudiosos, existem quatro pilares da vida moderna que podem gerar estresse e transtornos psicológicos nas crianças:

1) excesso de coisas;

2) excesso de opções;

3) excesso de informações;

4) excesso de rapidez.

Decerto, esses quatro tipos de excessos não são prejudiciais só às crianças, mas a qualquer faixa etária. No entanto, a infância é um período de formação da personalidade e do cérebro, por isso, esses excessos podem ser potencializados nessa fase, criando problemas enraizados na formação dos pequenos, que seriam cada vez mais difíceis de serem resolvidos na vida adulta. Desse modo, cabe aos pais terem essa noção e saberem ponderar as atividades e a vida de seus filhos. Eles ainda são jovens demais para estarem cientes de suas escolhas. Ademais, precisam de tempo para brincar e refletir. A criatividade, a percepção e a internalização das significações do mundo se dão por meio da livre brincadeira e do tempo para si mesmo. Brincar é crescer e aprender. Não se pode negar isso a uma criança.

Texto produzido pela equipe da Futuro Eventos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.