Quais são as opções de curso stricto sensu para a pós-graduação?

Qual a diferença entre mestrado, doutorado e mestrado e doutorado profissionais? O que você deve saber se pretende ingressar em algum desses cursos?

Complementando o conteúdo do post anterior , no qual tratamos sobre as opções de pós-graduação lato sensu, este post trata das opções de pós-graduação stricto sensu, tentando elucidar um pouco sobre a pesquisa científica em nosso país, assim como estabelecer os motivos que devem existir para que um graduado resolva seguir essa modalidade de estudos. Nunca é demais ressaltar as diferenças dessas duas áreas em que se dividem os cursos de pós-graduação no Brasil:

  • Lato sensu, expressão de origem latina que significa “em sentido amplo”. Esta área abrange cursos de especialização e MBA´s. Para sua conclusão, além das aulas cursadas, é preciso a apresentação de um artigo, ensaio monográfico ou projeto de negócios como requisito parcial para a conclusão do curso, conferindo ao aluno o título de especialista ou master na grande área de conhecimento a que se dedica o curso.
  • Stricto sensu, outra expressão de origem latina que se opõe à expressãolato sensu, significando “em sentido restrito”. No Brasil, encaixam-se nesta modalidade o mestrado, o mestrado profissional, o doutorado e doutorado profissional — que foi aprovado no início deste ano pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal de Nível Superior), órgão federal que rege a implementação, regulamentação e qualidade dos cursos de pós-graduação stricto sensu. Já falamos sobre o início dos cursos de doutorado profissional aqui no blog em um post anterior  “6 vantagens de fazer um doutorado profissional”: 
    Cada titulação exige uma carga horária diferente, além da defesa de trabalhos de grande fôlego ao final dos cursos: uma dissertação para o mestrado e uma tese para o doutorado. Estabelecida essa diferença principal, tratemos então dos cursos de pós-graduação stricto sensu.

Mestrado
Pode concorrer a uma vaga de mestrado em concursos de instituições públicas ou particulares qualquer estudante que já possua ou está em vias de concluir a sua graduação. Não necessariamente é preciso cursar um mestrado na mesma área da graduação, mas, para quem pretende seguir a carreira da pesquisa, é importante ater-se à mesma área ou a alguma área semelhante e que seja interessante para o projeto de pesquisa proposto no processo de seleção. Esse projeto de pesquisa é um dos requisitos básicos para concorrer a uma vaga: ninguém entra na modalidade stricto sensu de estudos sem um problema científico pertinente para resolver. Então, fica à cargo da instituição e do professor-orientador decidir se o problema interessa ao programa específico de pós-graduação ao qual o aluno se candidata. Também é exigido o domínio instrumental de uma língua estrangeira para concorrer e, normalmente, são aplicadas provas escritas, análise de títulos e currículo como critérios de seleção.
O curso de mestrado possui carga horária de 360 horas/aula, sendo que 240 horas são de matérias cursadas e 120 para a orientação da dissertação sobre o problema proposto que é exigida para a obtenção do título. Essa dissertação deverá ser defendida publicamente e avaliada por uma banca composta de professores diferentes do orientador. O tempo de duração do mestrado é de, no mínimo, 2 anos. Além disso, os mestrandos também devem cumprir algumas demandas relativas à carreira acadêmica voltada para a pesquisa, como participação em congressos, publicações em periódicos, revistas e livros.

Doutorado
Essas mesmas demandas científicas também são exigidas dos doutorandos, no entanto, a cobrança é maior, afinal, para concorrer num processo de doutorado é preciso que o aluno já tenha concluído ou esteja em vias de concluir o seu mestrado. Aquele que ingressa num doutorado já é mais maduro academicamente e, certamente, optou pela carreira da pesquisa científica, uma vez que, escrever uma tese não é um trabalho fácil. O curso de doutorado possui 540 horas/aula de carga horária e, normalmente, alguns créditos do mestrado podem ser aproveitados para complementar essa carga de matérias. Assim, seriam 420 horas/aula e 120 horas de orientação para a tese. Os processos de seleção para um doutorado normalmente obedecem às mesmas condições descritas acima sobre a seleção de mestrado, no entanto, o nível de competência exigido é maior. Também, é necessário o domínio instrumental de duas línguas estrangeiras para concorrer e um projeto de tese que proponha a investigação de um problema original e relevante para a pesquisa científica nacional. Um curso de doutorado dura, no mínimo, quatro anos.

Mestrado ou doutorado X mestrado ou doutorado profissional
A principal distinção presente no mestrado e no doutorado profissionais é o significado do adjetivo “profissional”, que pressupõe a atuação do mestre ou doutor no mercado de trabalho (seja na área privada ou pública), enquanto o mestrado ou doutorado sem essa convergência profissional pressupõe a atuação do mestre ou doutor na área da pesquisa científica. Assim: mestrados e doutorados profissionais são voltados para aqueles profissionais que já possuem anos de experiência e pretendem ampliar suas capacidades de gestão e métodos através de uma pesquisa de grande fôlego.
O doutorado profissional, como dito, é ainda uma modalidade que está engatinhando no Brasil, por isso, ainda não possuímos avaliações nem cursos disponíveis. Já o mestrado profissional (sigla MP) existe desde a década de 1990 e é mais comum de ser encontrado. A Capes avalia trienalmente esses cursos juntamente com os de mestrado e doutorado sem a capacitação profissional. Portanto, aqueles que optam pelo mestrado profissional geralmente são trabalhadores já bastante experientes em sua área de atuação que, além de complementarem seus conhecimentos, trazem para os núcleos de pesquisa científica as suas experiências práticas adquiridas no dia a dia. É muito comum professores optarem por um mestrado profissional em uma fase mais consolidada da carreira, levando a sua bagagem de sala de aula para o desenvolvimento de novos métodos de ensino, aprendizagem, novas tecnologias, etc. Existe também em nosso país uma variedade de opções de mestrados profissionais em outras áreas de conhecimento.

Diferenças entre tese e dissertação
Para o senso comum, há uma relativa confusão sobre a definição do que representa um trabalho denominado tese e um trabalho denominado dissertação. Primeiramente, ambos são pesquisas de grande fôlego, ao contrário de um artigo ou ensaio monográfico exigidos em uma especialização. Também, abordam um problema estrito, aquele proposto no projeto de pesquisa produzido para a seleção, daí o conceito de doutorado e mestrado enquadrarem-se numa área denominada stricto sensu. No entanto, existe uma diferença fundamental entre tese e dissertação que nem sempre fica clara:

  • A tese, que deve ser apresentada para a conclusão do doutorado, é um trabalho mais complexo, uma elaboração textual teórica e/ou crítica original sobre tema relevante para a área, capaz de representar contribuição significativa para o desenvolvimento do campo em questão.
  • Já a dissertação, necessária para a conclusão do mestrado, é algo mais simples, uma espécie de iniciação da produção científica do aluno e implica numa elaboração textual teórica e/ou crítica sobre tema relevante para a área.

Nota Qualis Capes
Trienalmente, a Capes avalia a produção científica no Brasil atribuindo aos cursos de pós-graduação da modalidade stricto sensu notas denominadas Qualis Capes, que variam em ordem crescente de 1 a 7. Para conhecer mais sobre o mestrado ou o doutorado que você pretende cursar é só acessar o link sobre os cursos recomendados e reconhecidos pela instituição que coordena os cursos de pós-graduação stricto sensu em todo Brasil.

Texto produzido pela equipe da Futuro Eventos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.