Respeito ao passado – [Momento curiosidade]

Aos mais jovens: havia uma época em que no handebol feminino brasileiro, íamos para os jogos Pan-Americanos para disputar final com Cuba, soberana na América até a meados da década de 90, e a prata já era uma vitória. Campeonatos Mundiais em jogos contra equipes europeias, íamos para perder de pouco.

 

 

Pouco a pouco fomos crescendo e ganhando respeito. Muito mais por méritos individuais do que trabalho organizado pela suposta Confederação, a quem compete estas atividades, alguns nomes: Aline Pateta, Meg, Chicória, Zezé, Jacke, Lucila, Vivi, Silva Helena. Poderíamos ficar horas listando as históricas que construíram essa história que culminaram em cinco títulos pan-americana consecutivos e no CAMPEONATO MUNDIAL DE 2013. 

Idalina Borges Mesquita, a Dalí, é uma dessas atletas. Três olimpíadas no currículo. Merece todo nosso respeito e admiração.

Conhecer e reconhecer a história do handebol brasileiro, também é parte do crescimento de um esporte vencedor.

Criada por apaixonados pelo handebol, a revista eletrônica 7M HANDEBOL TOTAL nasceu em janeiro de 2015 para divulgar e projetar nosso esporte. 
Trazendo o que há de melhor da modalidade pelo mundo, atualidades e principalmente focando na geração de ídolos. Atletas das seleções e que atuam no exterior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.