Resultados da ANA, Avaliação Nacional da Alfabetização

Os resultados da Avaliação Nacional da Alfabetização são alarmantes, mais da metade dos alunos brasileiros da 3° série do Ensino Fundamental não leem ou fazem contas matemática básica de forma suficiente.

Os resultados do ANA, Avaliação Nacional da Alfabetização, foram divulgados na última quarta-feira pelo INEP, Instituto de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, e pelo Ministério da Educação. Infelizmente, os resultados são alarmantes: Segundo o estudo, abrangendo alunos dos 3° ano do Ensino Fundamental, 55% deles possuem níveis insuficientes de leitura, interpretação de texto e realização de operações matemáticas básicas. Em 2014, essa porcentagem era de 56%, ou seja, houve uma pequena melhora, mas ainda incipiente tendo em vista a amplitude do problema. Cerca de 2 milhões de estudantes participaram da pesquisa realizada em novembro de 2016, sendo que, 90% desses possuíam 8 anos de idade ou mais. Esse corpus abrangeu um total 48 mil escolas e 105 mil turmas do 3° ano do Ensino Fundamental. O MEC dividiu o resultado das provas em três níveis: insuficiente, adequado e desejável.

Leitura e escrita
Na pesquisa, os alunos tiveram que localizar informações específicas, explicitadas dentro de textos simples, como lendas e cantigas folclóricas, sendo que apenas 13% dos alunos se enquadraram no patamar desejável, na ANA de 2014 essa porcentagem era de 11%. Assim, mais da metade dos alunos dessa faixa etária, 55%, possuem conhecimentos incipientes de leitura. A porcentagem restante, 45% de alunos capazes de ler e interpretar um texto de forma suficiente, divide-se em 32% deles enquadrados no patamar adequado e, como dito, apenas 13% no patamar desejável.

Desigualdades regionais
Com relação às diferenças regionais de aptidão, o norte e nordeste obtiveram os piores índices de alfabetização. Segundo o estudo, cerca de 70% dos estudantes dessas áreas obtiveram improficiência na leitura e interpretação de textos. No sul do país, 45% dos alunos enquadram-se na categoria, ou seja, a média nacional apresentada pela ANA esconde uma situação alarmante de desigualdades sociais por cada região, ainda que aponte para a deficiência geral de nosso ensino.

Matemática básica
Também houve uma avaliação com relação ao desempenho em matemática, abrangendo a capacidade dos alunos de realizar contas básicas de somatória e subtração. Os resultados foram ainda piores, como era de se imaginar. A média é de 55% de alunos com desempenho insuficiente para, por exemplo, contas de soma ou subtração com apenas dois algarismos. No norte e nordeste, 70% dos alunos se encaixam na categoria insuficiente. Já no sudeste, a média é 43% nesse nível.

Política Nacional de Alfabetização
No mesmo dia em que os dados da ANA foram divulgados, o MEC lançou um novo programa denominado Política Nacional de Alfabetização, que pretende colocar um professor assistente em todas as turmas de 1º e 2º ano do ensino fundamental do país, em teoria, para ajudar no processo de instrução dos alunos nas séries primárias. Mas será essa uma medida efetiva ou até mesmo relevante? Parece mais um projeto que tenta esconder o sol com a peneira. Outro professor em sala de aula não irá resolver os problemas de alfabetização no Brasil. Em 2019 teremos a nova edição da ANA, então poderemos conferir se houve alguma mudança.

Texto produzido pela equipe da Futuro Eventos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.