Quais são as tendências pedagógicas de ensino?

As tendências pedagógicas de ensino são matéria básica para os professores, por respondem a questões como: sobre “o que ensinar? ”, “a quem ensinar? ”, “como ensinar? ” e, principalmente, “por que ensinar?”.

É fundamental que todo professor possua o conhecimento das tendências pedagógicas de ensino vigentes em nossa contemporaneidade para que, desta forma, seja capaz de perceber, adaptar e aprimorar aquela utilizada na instituição em que atua. Dominar itens essenciais desse campo de conhecimento também permite ao professor discernir sobre o espírito crítico que o ensino é capaz de imputar na formação dos alunos. São questões básicas sobre “o que ensinar? ”, “a quem ensinar? ”, “como ensinar? ” e, principalmente, “por que ensinar?”.
Para que a prática do ensino seja completa e efetiva, todo professor precisa ter as respostas para essas questões, pois são elas que atribuem à docência seus pilares, dependendo do momento histórico, social e cultural de determinada tendência pedagógica. Podemos dividir as tendências pedagógicas atuais em dois eixos de pensamento: o primeiro de orientação Liberal e o segundo de orientação Progressista. Ambos eixos se desdobram nas subcategorias esquematizadas abaixo:

1) Tendências Liberais: este eixo de orientação pedagógica pressupõe que os alunos devem ser preparados para desempenhar papéis sociais, adaptando-se a valores e normas vigentes dentro da sociedade que está inserido. As desigualdades sociais não são motivações decisivas, a escola forma o aluno para uma adaptação à ordem vigente dentro de seu meio. Existem quatro desdobramentos desse eixo:
1.1. Liberal tradicional: o professor assume um espaço bastante distante dos alunos dentro de sala de aula. O aprendizado se baseia nas normas e padrões vigentes dentro da sociedade e não há a necessidade de uma mirada crítica sobre os problemas ou desigualdades do meio. A memorização e repetição são metodologias de aprendizado e ensino utilizados.
1.2. Liberal renovada: nesta subcategoria, o foco encontra-se na construção do conhecimento. Não é o aluno que se adequa aos conteúdos, mas os conteúdos que são adequados a partir da etapa de construção de conhecimento em que aquele se encontra. O professor age de maneira desafiadora, elaborando testes e exposições práticas que auxiliem na construção do conhecimento. Desta forma, a prática metodológica passa a ser mais voltada a experimentos e pesquisas. O professor também passa a atender os alunos de maneira diferenciada, obedecendo a suas necessidades individuais.
1.3. Liberal renovada não-diretiva: uma educação voltada à construção da subjetividade do aluno, ao desenvolvimento da sua personalidade e ao seu autoconhecimento, visando sua realização pessoal. Motivado pela questão pessoal, o ato de aprender passa a ser uma necessidade interna e intransferível. A tendência também dá ênfase à comunicação interpessoal e aos trabalhos em grupo. A relação professor-aluno é próxima, desenvolvendo forte afetividade.
1.4. Liberal tecnicista: é uma forma de educar que enfatiza o processo de profissionalização inicial do aluno. Os conteúdos ensinados são, em grande parte, voltados para a adequação às necessidades do mercado de trabalho. A relação professor-aluno é marcada por uma orientação mais impessoal e bastante procedimental.

2) Tendências progressistas: o segundo eixo de orientação pedagógica vigente na atualidade leva em consideração o aspecto crítico para a compreensão da estrutura histórica-social da realidade em que a escola se insere. Assim, o sujeito, ou seja, cada aluno, tem seu papel na construção dessa sociedade e, portanto, da realidade. As tendências pedagógicas progressistas possuem três desdobramentos principais:
2.1. Progressista libertadora: e relação entre professor e aluno é horizontal, ou seja, ambos são agentes dentro do ato de educar, não apenas o primeiro. Os conteúdos são vistos como formas de problematização social que despertem a crítica do aluno sobre seu meio social e histórico. É bastante próxima a relação entre conteúdos escolhidos e o cotidiano dos alunos.
2.2. Progressista libertária: tendência baseada na busca de uma prática democrática que leve a uma consciência política dos alunos. Esta, por sua vez, levaria a uma mudança social. Os alunos constroem o conhecimento em conjunto e têm um embasamento sólido sobre as disputas sociais e como elas interferem em seu dia a dia e em sua sociedade. O papel do professor é de um orientador das ideias construídas pelo grupo, mas sem a imposição de suas próprias ideias e convicções.
2.3. Histórico-crítica ou crítico-social: partindo da metodologia dialética, o educando é metade do processo de ensino, uma vez que, com a ajuda do professor, expõe sua vivência da realidade em oposição àquilo que aprende nos livros. Assim, a escola é um local onde o aluno conquista seu espírito crítico, detendo conhecimento crítico universal. A tendência tem como leme a ideia de uma educação igualitária e de qualidade para todas as classes sociais.

Texto produzido pela equipe da Futuro Eventos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOSSO CONTEÚDO EXCLUSIVO.